Blog do site VIVACOMLINFEDEMA.com

Bota de gorgurão – será o fim das faixas?

Olá pessoal!

Depois de muito tempo sem atualizar o blog, aqui estou eu. Desta vez, trago uma grande novidade: meias de gorgurão!

No final do ano passado, e início deste ano, tive a oportunidade de conhecer as tão faladas meias de gorgurão. A Rosana, que fabrica as meias/botas (não gosto de usar o termo “meias”, porque elas estão mais pra bota, basta ver as fotos), esteve em BH e confeccionou botas e luvas de gorgurão pra várias pessoas de várias localiades de MG. Eu fui uma das felizardas que puderam conhecer os efeitos da “meia” mais cobiçada do momento.

Pois bem. Como todos sabem, sou uma pessoa otimista, porém, extremamente crítica. Pretendo demonstrar os prós e contras desta meia, e fazer um comparativo com as faixas de baixa elasticidade. Pelo que pude ver, a meia de gorgurão não pretente substituir as meias elásticas de compressão. Acredito que a meia de gorgurão pretende substituir as famigeradas faixas, e por isso, minha avaliação girará entorno disso.

Já vi relatos de pessoas que tiveram contato com as meias de gorgurão e não gostaram do volume que ela provoca. Pois digo a vocês que esse é exatamente o ponto que mais me encantou. Suponho que quem fez essa crítica, certamente quis, erroneamente, comparar a bota/meia de gorgurão às meias elásticas. Conforme  já comentei anteriormente, a meia de gorgurão tem características que se aproximam das faixas, ou seja, ela tem baixa elasticidade e pretende manter, senão reduzir o edema.

Vejam o comparativo:

BOTA DE GORGURÃO PERNA INTEIRA ENFAIXAMENTO ESCAMA DE PEIXE COM FAMARA LINFOPRESS
EFEITO COMPRESSIVO Mantém o que foi drenado. Ajuda na redução da circunferência. Eficiente no joelho e tornozelo, lugares de difícil contenção com enfaixamento tradicional.  Mantém o que foi drenado. Ajuda na redução da circunferência. Apresenta problemas na compressão do joelho e tornozelos, prejudicando essas partes.
FACILIDADE DE USO Extremamente difícil de vestir, mas perfeitamente possível de realizar a auto-colocação. Requer prática.  Difícil de aprender, mas com a prática é possível se auto-enfaixar em poucos minutos.
CONFORTO  Bem mais confortável que as faixas, mas ainda precisa melhorar neste quesito. Extremamente desconfortável. As faixas podem cair ao longo do dia se mal colocadas.
MOBILIDADE  Dificulta o movimento do joelho, porém, permite maior amplitude ao caminhar, o que pode reduzir as chances de lesões como bursite, além de permitir maior uso de musculatura antes limitada pelo enfaixamento do joelho.  Limita os movimentos do joelho e tornozelo, além de freqüentemente causar garrote no joelho. A caminhada é curta, o que pode provocar inflamações, como bursite. Musculatura pouco usada, o que pode trazer prejuízos a longo prazo.
ESTÉTICA Muito mais interessante, menos agressiva que o enfaixamento. De certa forma, bonita. Menos volume. Abominável. Muito volume. Feio. Limita o uso de calças e determinados calçados.
ACEITAÇÃO Muito mais aceitável, na medida em que realiza o efeito compressivo desejado e possui uma estética mais agradável. Causa repulsa. Sensação de doença eterna. Auto-piedade.Vergonha.

Bota (meia) de gorgurão

Depois de alguns meses de uso, percebi que ela vai cedendo em certas partes, como no pé. Pra que ela continue com o efeito compressivo correto, são necessários pequenos ajustes. O modo como ela é confeccionada permite que esses ajustes sejam feitos por alguma costureira à escolha do paciente, em sua cidade. Mas é necessário cuidado para não estragar a meia. É importante que a pessoa que vá fazer o reparo tenha prática em costura.

Apenas 3 coisas me incomodam de verdade na meia de gorgurão: o pé, que antes com o enfaixamento se mantinha desinchado, agora vive um pãozinho. Isso ocorre porque a compressão começa no meio do pé, e não na raiz dos dedos. A explicação que me foi dada pra que a compressão comece desse ponto é que, se ela começar da raiz dos dedos, pode causar calos nos ossinhos do pé. É uma explicação plausível, porque eu mesma já tive calos por causa do enfaixamento nesse ponto. Mas acho que dá pra descer um pouquinho e começar mais perto dos dedos do pé.

A segunda coisa que me incomoda são os vergões que dão bem embaixo de onde apertam os cadarços. A solução pra isso foi uma camada a mais de espuma forrada (espuma usada em bojo de sutiã). Amenizou, mas com o tempo a espuma afina e o problema reaparece.

A terceira coisa que me incomoda, e muito, é a fisgada na virilha. A explicação pra isso é que o meu modelo deveria ser o que vai ate a cintura, com uma cinta pra segurar e não enrolar perna abaixo, como as
meias de uma perna só. Porém, eu não quis essa cinta porque já basta ter que usar uma coisa estranha na perna. Ter que estender até a cintura é um pouco demais pra minha beleza. Minha resistência contra a baixa da autoestima  tem limites. Uma cinta que aumenta o volume do quadril, se fosse pra uns meses de tratamento eu aturava, mas pra vida toda???? Infelizmente não posso. A juventude é só uma, e gastá-la dessa forma definitivamente não está nos meus planos. Então, a solução que encontrei, bem, não chega a ser uma solução, mas ajudou bem, foi segmentar o cadarço. Amarro até o meio da coxa com o mesmo cadarço enorme, e a partir dali, amarro em segmentos que me permitem afrouxar no topo da perna, perto da virilha, sem comprometer o resto da compressão da perna. No meu caso, a coxa desincha rápido, e usar o mesmo cadarço até a virilha pode causar garrote, porque é preciso apertar bem no topo pra bota nao cair. Na coxa, meu edema amolece muito, e se eu apertar muito ali, travo a passagem da linfa. É preciso graduar a compressão de modo que a linfa possa escoar, e não ficar retida, como se amarrasse a boca de um saco ou balão dágua.

Outra coisa que notei, é que a meia de proteção, que fica por baixo da de gorgurão, ajuda no processo de garrote na virilha. Penso que, se essa meia fosse como uma calça, aí sim ela não enrolaria. Essa sim deveria ir ate a cintura, pois ela não provoca todo aquele volume. Acredito que ela poderia evitar o garrote posto que não enrolaria na coxa, e ajudaria a bota de gorgurão a se manter sem garrotear.

Posso dizer que a bota de gorgurão ganhou do enfaixamento pelos motivos elencados na tabela. Se comparada ao enfaixamento, ela é realmente melhor. Com  algumas modificações, ela se tornaria mais confortável e mais adequada às necessidades das pessoas que precisam dela pra viver.

CircAid

Após todas essas avaliações de prós e contras, voto no gorgurão. Eliminei as faixas da minha vida, e espero que esse gorgurão nunca deixe de ser fabricado, pois essa bota desenvolvida pela equipe do Dr. Godoy é, sem sombra de dúvidas, o melhor que temos em termos de contenção do edema aqui no Brasil. Não sei no exterior, porque não tive a oportunidade de experimentar outros produtos semelhantes como o CircAid. Mas acredito que a meia de gorgurão seja um dos melhores aliados dos portadores de linfedema, considerando todos os elementos avaliados.

Para finalizar, quero deixar aqui uma dica para os médicos e terapeutas interessados, e também pra equipe do Dr. Godoy. É preciso pensar sobre a divulgação deste tratamento. Como é um produto que para ser fabricado exige um conhecimento específico, ou melhor, conhecimentos em conjunto, seja de quem costura, seja de quem trata o paciente e do médico que conhece a fundo a anatomia humana, é necessária capacitação de pessoas para a sua confecção. Seria muito interessante que fossem ministrados cursos visando a qualificação de profissionais  para a fabricação e ajuste da meia de gorgurão. Só dessa forma as pessoas de todo o país terão acesso a um tratamento digno com as meias de gorgurão.

Deixo um agradecimento especial à Rosana, que foi tão amável e dedicada na semana fabricação de meias de gorgurão para os pacientes da Dra. Eneida.

Gostaria de parabenizar também a Dra. Eneida pela iniciativa de fazer esse intercâmbio de conhecimentos o que se traduziu em grandes benefícios aos seus pacientes.

Por fim, gostaria de agradecer ao Dr. José Maria Godoy e toda sua equipe por desenvolverem um tratamento tão bacana. Podem estar certos que as meias de gorgurão são um marco na vida da pessoa com linfedema.

Abraços pra todos,

 

Até a próxima!

12 Responses to Bota de gorgurão – será o fim das faixas?

  • Iamara,
    entre em contato com a clínica do Dr. Godoy:

    Nome: MARIA DE FATIMA GUERREIRO GODOY
    Endereço: Avenida Constituição 1306
    E-mail:
    mfggodoy@gmail.com
    Cidade: São Jose do Rio Preto – Estado: SP
    Telefone: (017)32326362
    Especialidade: Terapeuta Ocupacional

    att.

    Fernanda.

  • Clarissa says:

    Eu prefiro a bota do que o enfaixamento, temos os mesmos pontos críticos sobre ela, mas quem sabe se juntando as opiniões podemos chegar a uma ideia de um modelo melhor!!!

  • Silvia says:

    Acabei de ler o post acima. Pode exckuir a minha pergunta anterior. Obrigada

  • Valéria França says:

    Fernanda…Fazia um tempão que não entrava no blog, fiquei feliz que você tenha conseguido a sua bota de gorgurão, eu ainda não tive oportunidade, mas quero muito!Que ótimo que agora tenho sua opinião em relação às meias de gorgurão!!!!Um abraço

  • Leciane Souza says:

    Parabéns Fernanda… Não sei o que seria de nós ( que temos linfedema ) sem você para nos ajudar! Você é um verdadeiro anjo.

  • neuzeti lima dos santos says:

    moro em b.hte e gostaria de saber se aqui tem alguem q faz essas meias de gorgurão
    tenho lifedema somente no pe graças a Deus mas presciso de compresão ate o joelho gostaria de saber mais sobre a gorgurão
    desde ja agradeço mto

  • CIBELE RODRIGUES DA SILVA says:

    ADOREI ESTA BOTA GORGURÃO ONDI POSSO ENCONTRALA

  • Andrelina Borges says:

    Olá sou portadora de linfedema de tornozelo será que esta meia de gorgurão pode ser usada somente até o joelho?

  • olá Andrelina!

    As meias de gorgurão são confeccionadas em São José do Rio Preto, em SP. Entre em contato com o Dr. Godooy para saber se o seu caso é necessário. Veja em “mádicos/terapeutas” no site do vivacomlinfedema.com.br .

    Abraço!

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *

*

You may use these HTML tags and attributes: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <strike> <strong>

Todas as informações contidas tanto no site quanto no blog e no fórum do vivacomlinfedema.com.br visam ajudar e orientar pessoas com linfedema a conviverem da melhor forma possível com a doença. A autora de todo o conteúdo relacionado ao referido site, blog e fórum não é médica nem fisioterapeuta e objetiva apenas compartilhar suas experiências como portadora de linfedema. O site, o blog e o fórum do vivacomlinfedema.com.br não se responsabilizam por informações indevidamente prestadas por médicos e fisioterapeutas cadastrados na lista de busca do site, ficando a cargos destes a responsabilidade de honrar seus compromissos técnicos e éticos para com a sociedade. Feitas tais considerações, o vivacomlinfedema.com.br alerta: O MÉDICO ESPECIALISTA DEVERÁ SEMPRE SER CONSULTADO.